Apresentação

A dinamização é uma ação conjunta de fortalecimento e apoio à implantação dos sistemas municipais de cultura no Estado do Rio de Janeiro, com especial apoio aos Planos Municipais de Cultura, fortalecendo o Sistema Estadual de Cultura do Rio de Janeiro, instituído pela Lei nº 7.035/15.

Profissionais qualificados, identifidados como "dinamizadores", atuam junto aos gestores para promover articulações entre município, sociedade civil, universidades, governos estadual e federal no sentido de mobilizar a todos para debater e planejar políticas culturais. Colabora ndo com a percepção e identificação das potências locais dos municípios, focando, sobretudo, a construção dos planos municipais de cultura, em sintonia com a instalação dos sistemas de cultura municipais, estadual e nacional.

Objetivos da ação

Apoiar os municípios a efetivarem seus sistemas municipais de Cultura, priorizando a elaboração dos planos municipais de Cultura e facilitando os demais elementos obrigatórios na composição do Sistema de Cultura.

Objetivos específicos

Dinamizadores

Em breve será divulga do o edital de seleção dos profissionais.

Plano Municipal de Cultura

Plano Municipal de Cultura – Marco estruturante da participação social

Planejar é buscar antecipar o futuro. Quando traçamos planos e projetos, estamos vislumbrando uma situação que queremos alcançar, que seja diferente da realidade atual. Para tanto, duas questões são primordiais: conhecer a realidade que desejamos mudar e ter clareza da situação que queremos alcançar.

Das peças que integram o Sistema Municipal de Cultura, o Plano Municipal de Cultura é o mais estruturante, pois compreende o conjunto de diretrizes, princípios e estratégias a serem desenvolvidos no seu âmbito de aplicação e orienta o poder público na formulação de políticas culturais envolvendo a sociedade civil, desde sua elaboração até a efetivação de sua prática, durante o período de dez anos.

Um bom plano de cultura deve levar em consideração as seguintes premissas:

O plano deve ser participativo, envolvendo os representantes eleitos – prefeito ou prefeita e vereadores – e a sociedade civil para discutir propostas e meios de alcançá-las e para acompanhar seus resultados. A sociedade civil pode participar de várias maneiras, mas dois espaços de participação são obrigatórios: o Conselho de Cultura e a Conferência de Cultura. O plano deve ser político; deve ser resultado de um acordo entre os diferentes interesses de classes e grupos sociais. O plano deve ser técnico, basear-se em práticas e procedimentos que deem suporte à realização das ações aprovadas. O plano deve fazer parte do planejamento da política pública, isto é, a cultura deve se relacionar com outras áreas de desenvolvimento. Os planos nacional, estadual e municipal devem ter correspondência entre si. O planejamento deve considerar as metas estabelecidas nos planos estadual e federal.

Agenda

Divulgação em breve

Municípios participantes

Municípios que participaram da dinamização em 2015. Em breve divulgaremos os municípios que participarão da dinamização em 2018.

Encontro Geral de Dinamização

Plano Municipal de Cultura – Marco estruturante da participação social:

O I Encontro Geral de Dinamização foi realizado dia 2 de março de 2016 no Teatro da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, com a participação de cerca de 150 representantes das cidades que estão elaborando seus planos municipais de cultura; além dos 34 municípios que já estão estruturando seus planos, produtores culturais do Rio de Janeiro, Rio Bonito, Paraíba do Sul, São Pedro da Aldeia e Macaé, que ainda não iniciaram o processo, compareceram ao evento.